ANDROID: A grande pequena aposta do Google

0
299

Em 2004, um dos fundadores do Google, Larry Page, na carta direcionada aos acionistas interessados no IPO da companhia, intitulada “An Owner’s Manual for Google’s Shareholders”, sintetizou em uma frase a postura do agora titã do setor de tecnologia em relação a possíveis aquisições: “We will not hesitate to place major bets on promising new opportunities”.

Olhando para trás, parece que oportunidades não faltaram e tampouco a companhia hesitou em aproveitá-las: de 2001 a 2021, o Google – ou, então, a Alphabet, holding criada em 2015 para reorganizar os negócios – fez mais de 260 aquisições. Em meio a tantas operações de M&A, a compra do Android, módico diante das iniciativas já desenvolvidas pela Microsoft, merece destaque.

Logo após o IPO, realizado em 2005, o Google adquiriu o Android, na época uma pequena startup entretida com a concepção de um sistema operacional para celulares,por US$ 50 milhões. O Google passou os próximos três anos desenvolvendo o sistema operacional para aparelhos celulares até que a primeira versão do Android surgiu finalmente em 2008.

Para a companhia de Mountain View, a principal vantagem da aquisição foi clara: a integração de ferramentas dentro do Android permitiu ao Google incutir seus serviços e aplicativos em aparelhos celulares através de acordos com fabricantes. Assim, a base de usuários de ferramentas como YouTube, Google Maps e Gmail se expandiu, prosperando justamente em um momento em que os computadores desktop abriam espaço para a chegada de dispositivos mobile.

A aquisição se provou extremamente valiosa. O racional envolveu a pavimentação de mais um caminho que direcionasse usuários para o seu principal ‘ganha-pão’, propaganda. Em 2020, por exemplo, o business de anúncios respondeu por cerca de 80% da receita da Alphabet. Além disso, com o market share do Android, aproximadamente 73% contra 27% do iOS, o Google consegue manter, sem grandes ameaças, a dominância no mercado de buscas.

A hegemonia da companhia, entretanto, tem chamado a atenção de autoridades antitruste, principalmente nos Estados Unidos e na Europa. Em 2018, o Google foi multado em aproximadamente € 4.3 bilhões pela Comissão Europeia, sob a alegação de que a companhia abusava da posição de liderança do sistema operacional para assegurar a dominância do serviço de buscas, prejudicando a livre concorrência.

O fato é que a pequena aposta em Android é a ilustração da boa alocação de capital realizada pelo Google ao longo de sua história. O projeto de desenvolvimento de um sistema operacional, na época pouco alardeado, serviu para consolidar e fortalecer seu principal negócio. Contudo, nada fora do script, já que na carta escrita na época do IPO, Page se fez inequívoco: “Do not be surprised if we place smaller bets in areas that seem very speculative or even strange when compared to our current businesses”.